Últimos assuntos
» cartilha de padronizacao de servicos do DETRAN/MT
Dom Maio 05, 2013 2:36 pm por REINALDO PACHECO

» Matéria da Gazeta
Seg Dez 12, 2011 1:54 pm por cascao

» Motos agora sae LIMPÍSSIMAS do pátio
Qui Dez 01, 2011 3:58 pm por Edjander

» Tercerizaram a vistoria (DOE 04/11/11 - LEI 9.636)
Qui Dez 01, 2011 8:57 am por josiany

» Campanha -Sinal Verde Para a Solidariedade-
Qui Nov 24, 2011 12:38 pm por Fabio Junior 27 Cir

» REAJUSTE SALARIAL
Qui Nov 24, 2011 12:34 pm por Fabio Junior 27 Cir

» Terceirização
Seg Nov 14, 2011 1:12 pm por rone 3ªcrt

» Fiquem de olho meus caros do Detran... Tem boi na linha!
Qua Nov 09, 2011 8:55 am por cascao

» Mais uma do Detran MT (Será reflexo do Feriadão?)
Qui Nov 03, 2011 1:13 pm por Amoron

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Agosto 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário


Greve Ilegal

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Greve Ilegal

Mensagem  Wainer em Sex Ago 05, 2011 8:27 pm

http://www.tjmt.jus.br/Conteudo.aspx?IDConteudo=20506
Eh o governo ta apertando.....
avatar
Wainer

Mensagens : 15
Reputação : -1
Data de inscrição : 23/03/2011
Idade : 37
Localização : Tangará da Serra.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Greve Ilegal

Mensagem  Convidad em Sex Ago 05, 2011 8:59 pm

Wainer escreveu:http://www.tjmt.jus.br/Conteudo.aspx?IDConteudo=20506
Eh o governo ta apertando.....

Mas nem por isso vamos afrouxar, companheiro!
Ele tenteia de lá e a gente tenteia de cá!

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Greve Ilegal

Mensagem  Arthur em Sex Ago 05, 2011 9:52 pm

É pessoal...
Apesar de tudo, a declaração de ilegalidade ja era esperada pelo sindicato. Alias, alguem aqui ja viu alguma greve no Estado de MT nao ter sido declarada ilegal pelo TJ? Pelo menos as recentes, todas foram..

Enfim.. Vale ressaltar que o sindicato ainda nao foi notificado, e a partir do momento da notificação existe um prazo de 72 hrs para retornar ao serviço, caso a categoria decida isso.. Existem ainda recursos que serão usados contra a liminar!

Vamos aguardar informações do sindicato, mas a greve esta mantida. Pelo menos até uma nova assembleia para votar o retorno ou nao.
Abraços e força!

Att.

Arthur

Mensagens : 68
Reputação : 10
Data de inscrição : 11/03/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

vamos a luta

Mensagem  paulo em Sex Ago 05, 2011 11:28 pm

O tj de mato grosso não conhece muito de lei se eles alegam que não cumprimos os 30 % e onde eles fundamentaram essa lei pois eu nunca vi,não vamos desistir tão facilmente,agora não tem mais volta,vamos até a ultima consequencia!!!

paulo

Mensagens : 3
Reputação : 0
Data de inscrição : 05/08/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Vamos fikar de olho

Mensagem  DetranPL27ª em Sab Ago 06, 2011 10:20 am

MENSAGEM REMOVIDA


Última edição por DetranPL27ª em Sab Ago 06, 2011 3:58 pm, editado 1 vez(es)
avatar
DetranPL27ª

Mensagens : 40
Reputação : 9
Data de inscrição : 14/02/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Greve Ilegal

Mensagem  F em Sab Ago 06, 2011 2:42 pm

DetranPL27ª escreveu:LEI Nº 7.783/89

12) será lícita a demissão ou a exoneração de servidor na ocorrência de abuso do direito de greve, assim consideradas: a) a inobservância das presentes exigências; e b) a manutenção da paralisação após a celebração de acordo ou decisão judicial sobre o litígio;

Colega não sei qual foi a pessoa q interpretou este artigo dessa forma, mas informo esta EQUIVOCADA a sua interpretação, vamos deixar para o juiz interpretar.. tem um ditado q diz antes ficar quieto do que falar merd...

A lei de greve é acessível a todos em qualquer site de renome..

Em momento algum a lei deixa entender o q vc postou..


LEI Nº 7.783, DE 28 DE JUNHO DE 1989.

Dispõe sobre o exercício do direito de greve, define as atividades essenciais, regula o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º É assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender.

Parágrafo único. O direito de greve será exercido na forma estabelecida nesta Lei.

Art. 2º Para os fins desta Lei, considera-se legítimo exercício do direito de greve a suspensão coletiva, temporária e pacífica, total ou parcial, de prestação pessoal de serviços a empregador.

Art. 3º Frustrada a negociação ou verificada a impossibilidade de recursos via arbitral, é facultada a cessação coletiva do trabalho.

Parágrafo único. A entidade patronal correspondente ou os empregadores diretamente interessados serão notificados, com antecedência mínima de 48 (quarenta e oito) horas, da paralisação.

Art. 4º Caberá à entidade sindical correspondente convocar, na forma do seu estatuto, assembléia geral que definirá as reivindicações da categoria e deliberará sobre a paralisação coletiva da prestação de serviços.

§ 1º O estatuto da entidade sindical deverá prever as formalidades de convocação e o quorum para a deliberação, tanto da deflagração quanto da cessação da greve.

§ 2º Na falta de entidade sindical, a assembléia geral dos trabalhadores interessados deliberará para os fins previstos no "caput", constituindo comissão de negociação.

Art. 5º A entidade sindical ou comissão especialmente eleita representará os interesses dos trabalhadores nas negociações ou na Justiça do Trabalho.

Art. 6º São assegurados aos grevistas, dentre outros direitos:

I - o emprego de meios pacíficos tendentes a persuadir ou aliciar os trabalhadores a aderirem à greve;

II - a arrecadação de fundos e a livre divulgação do movimento.

§ 1º Em nenhuma hipótese, os meios adotados por empregados e empregadores poderão violar ou constranger os direitos e garantias fundamentais de outrem.

§ 2º É vedado às empresas adotar meios para constranger o empregado ao comparecimento ao trabalho, bem como capazes de frustrar a divulgação do movimento.

§ 3º As manifestações e atos de persuasão utilizados pelos grevistas não poderão impedir o acesso ao trabalho nem causar ameaça ou dano à propriedade ou pessoa.

Art. 7º Observadas as condições previstas nesta Lei, a participação em greve suspende o contrato de trabalho, devendo as relações obrigacionais, durante o período, ser regidas pelo acordo, convenção, laudo arbitral ou decisão da Justiça do Trabalho.

Parágrafo único. É vedada a rescisão de contrato de trabalho durante a greve, bem como a contratação de trabalhadores substitutos, exceto na ocorrência das hipóteses previstas nos arts. 9º e 14.

Art. 8º A Justiça do Trabalho, por iniciativa de qualquer das partes ou do Ministério Público do Trabalho, decidirá sobre a procedência, total ou parcial, ou improcedência das reivindicações, cumprindo ao Tribunal publicar, de imediato, o competente acórdão.

Art. 9º Durante a greve, o sindicato ou a comissão de negociação, mediante acordo com a entidade patronal ou diretamente com o empregador, manterá em atividade equipes de empregados com o propósito de assegurar os serviços cuja paralisação resultem em prejuízo irreparável, pela deterioração irreversível de bens, máquinas e equipamentos, bem como a manutenção daqueles essenciais à retomada das atividades da empresa quando da cessação do movimento.

Parágrafo único. Não havendo acordo, é assegurado ao empregador, enquanto perdurar a greve, o direito de contratar diretamente os serviços necessários a que se refere este artigo.

Art. 10 São considerados serviços ou atividades essenciais:

I - tratamento e abastecimento de água; produção e distribuição de energia elétrica, gás e combustíveis;

II - assistência médica e hospitalar;

III - distribuição e comercialização de medicamentos e alimentos;

IV - funerários;

V - transporte coletivo;

VI - captação e tratamento de esgoto e lixo;

VII - telecomunicações;

VIII - guarda, uso e controle de substâncias radioativas, equipamentos e materiais nucleares;

IX - processamento de dados ligados a serviços essenciais;

X - controle de tráfego aéreo;

XI compensação bancária.

Art. 11. Nos serviços ou atividades essenciais, os sindicatos, os empregadores e os trabalhadores ficam obrigados, de comum acordo, a garantir, durante a greve, a prestação dos serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade.

Parágrafo único. São necessidades inadiáveis, da comunidade aquelas que, não atendidas, coloquem em perigo iminente a sobrevivência, a saúde ou a segurança da população.

Art. 12. No caso de inobservância do disposto no artigo anterior, o Poder Público assegurará a prestação dos serviços indispensáveis.

Art. 13 Na greve, em serviços ou atividades essenciais, ficam as entidades sindicais ou os trabalhadores, conforme o caso, obrigados a comunicar a decisão aos empregadores e aos usuários com antecedência mínima de 72 (setenta e duas) horas da paralisação.

Art. 14 Constitui abuso do direito de greve a inobservância das normas contidas na presente Lei, bem como a manutenção da paralisação após a celebração de acordo, convenção ou decisão da Justiça do Trabalho.

Parágrafo único. Na vigência de acordo, convenção ou sentença normativa não constitui abuso do exercício do direito de greve a paralisação que:

I - tenha por objetivo exigir o cumprimento de cláusula ou condição;

II - seja motivada pela superveniência de fatos novo ou acontecimento imprevisto que modifique substancialmente a relação de trabalho.

Art. 15 A responsabilidade pelos atos praticados, ilícitos ou crimes cometidos, no curso da greve, será apurada, conforme o caso, segundo a legislação trabalhista, civil ou penal.

Parágrafo único. Deverá o Ministério Público, de ofício, requisitar a abertura do competente inquérito e oferecer denúncia quando houver indício da prática de delito.

Art. 16. Para os fins previstos no art. 37, inciso VII, da Constituição, lei complementar definirá os termos e os limites em que o direito de greve poderá ser exercido.

Art. 17. Fica vedada a paralisação das atividades, por iniciativa do empregador, com o objetivo de frustrar negociação ou dificultar o atendimento de reivindicações dos respectivos empregados (lockout).

Parágrafo único. A prática referida no caput assegura aos trabalhadores o direito à percepção dos salários durante o período de paralisação.

Art. 18. Ficam revogados a Lei nº 4.330, de 1º de junho de 1964, o Decreto-Lei nº 1.632, de 4 de agosto de 1978, e demais disposições em contrário.

Art. 19 Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 28 de junho de 1989; 168º da Independência e 101º da República.

JOSÉ SARNEY
Oscar Dias Corrêa
Dorothea Werneck


F

Mensagens : 26
Reputação : 4
Data de inscrição : 01/07/2011
Localização : SINOP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Greve Ilegal

Mensagem  DetranPL27ª em Sab Ago 06, 2011 3:57 pm

Entendo sua colocação e reconsidero..mas não podemos nos esquecer que o nosso TJ é comprado. Ele interpretam de acordo com o poder que emana a intrepretação.. Mas ficar atento.
avatar
DetranPL27ª

Mensagens : 40
Reputação : 9
Data de inscrição : 14/02/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Greve Ilegal

Mensagem  Veneranda - Sede em Dom Ago 07, 2011 11:44 pm

DetranPL27ª escreveu:Entendo sua colocação e reconsidero..mas não podemos nos esquecer que o nosso TJ é comprado. Ele interpretam de acordo com o poder que emana a intrepretação.. Mas ficar atento.
Mas o TJ não é a última instância...
avatar
Veneranda - Sede

Mensagens : 125
Reputação : 26
Data de inscrição : 18/02/2011
Idade : 35

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Greve Ilegal

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum